Aécio Neves e Geraldo Alckmin criticam Bolsonaro: "ele não é confiável"

Aécio Neves e Geraldo Alckmin criticam Bolsonaro: "ele não é confiável"

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou que os votos em Jair Bolsonaro “são passaporte para a volta do PT“, em referência a uma eventual disputa entre os 2

Leia tudo

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou que os votos em Jair Bolsonaro “são passaporte para a volta do PT“, em referência a uma eventual disputa entre os 2 grupos no 2º turno. O tucano acredita que a esquerda tem chance de passar do 1º turno caso o PT consiga concentrar as forças do seu campo político.

“Se o PT concentrar a esquerda para valer, pode estar no 2º turno“, disse. “O candidato do PT vai ter 2% dos votos? Impossível. Não vai ser assim“, declarou, numa referência à pontuação que os possíveis substitutos de Lula têm registrado em pesquisas eleitorais.

Alckmin diz que estará entre os finalistas de uma eventual disputa de 2º turno, mas não quis indicar quem ele acredita que será seu adversário.

Chegou com cerca de uma hora de atraso ao restaurante Piantella, na zona central de Brasília, acompanhado do coordenador econômico de sua campanha, Persio Arida.

O motivo do atraso foi uma demora do senador Tasso Jereissati (CE) em São Paulo. Tasso convidou o pré-candidato para uma carona em seu jatinho, mas atrasou-se em uma consulta no oftalmologista. Segundo Alckmin, o avião deveria ter saído de São Paulo por volta das 17h, mas o senador cearense só chegou às 19h ao aeroporto.

“A única forma de Tasso compensar o atraso é aceitar se candidatar ao governo do Ceará“, brincou Alckmin. O paulista insiste na candidatura do coordenador político de sua campanha presidencial. O Ceará é 1 palanque estratégico para o tucano no Nordeste. Mas Tasso vem se esquivando. Diz que sua mulher não aprova a ideia.

Para a hipótese de ser eleito presidente da República, Alckmin afirmou que pretende enviar nos primeiros dias de seu mandato propostas de 4 reformas estruturantes ao Congresso: a da Previdência, a política, a tributária e a do Estado. O desejo é aprovar as 4 no 1º ano de governo. “Nos primeiros meses a força política é muito grande. A eleição traz muita legitimidade, quem for eleito vai ter quase 60 milhões de votos“, disse.

O ex-governador indicou que manteria Ilan Goldfajn no comando do Banco Central, com Persio Arida no Ministério da Fazenda.


EQUIPE E POLÍTICA ECONÔMICA

Alckmin manifestou o desejo de, caso seja eleito, manter o atual presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, no posto. “Ilan [Goldfajn] é um bom presidente do Banco Central. Gostaria de tê-lo no BC“. Seu ministro da Fazenda seria, naturalmente, o coordenador econômico de sua campanha, Persio Arida –o tucano disse que a escolha é “hors-concours”.

O ex-governador e Arida apresentaram alguns pontos que devem nortear a política econômica do eventual governo. Alckmin concentrou-se no discurso de manutenção dos juros baixos e transmissão dessas alíquotas reduzidas ao consumidor para baratear o crédito. Uma das formas de alcançar essa meta seria reduzir a concentração no sistema bancário. “O caminho hoje não é mais só fortalecer o sistema financeiro, mas aumentar a competição“.

O sistema bancário brasileiro privilegiou a criação de instituições grandes, pois a crença no início dos anos 1990 era a de que isso daria mais solidez ao mercado. “Essa era uma decisão que foi tomada. De fato, bancos maiores são mais sólidos“, disse Arida. O problema é que isso levou a uma grande concentração. No ano 2000, os 5 maiores bancos brasileiros (BB, CEF, Itaú, Bradesco e Santander) tinham 56,5% dos ativos do mercado. Em 2017, os 5 maiores já estavam com 82,2% dos ativos.

Para Arida, é necessário promover regras que permitam que novos agentes participem desse mercado. Esses novos atores não precisam ser necessariamente bancos. Para o economista, pode ser pensada numa fórmula em que cooperativas de crédito ou Fundos de Investimentos façam empréstimos. Também será tentada uma forma de incentivar modelos em que a tecnologia seja usada para ampliar a oferta de crédito. Não está claro como tudo isso poderá ser implementado, mas tanto o economista como o pré-candidato do PSDB foram enfáticos ao dizer que 1 eventual governo tucano priorizará a redução da concentração bancária.

Persio Arida mencionou outras reformas que auxiliariam na condução da política econômica. Disse que a independência do Banco Central é importante, mas não é 1 projeto prioritário no início do eventual mandato. “É bom ter BC independente, mas vale a pena gastar o capital político escasso com isso?“, disse.

A permanência de Ilan Goldfajn à frente da autarquia já daria alguma garantia ao mercado de que o Banco Central seguiria com atuação de relativa independência no caso de Geraldo Alckmin vencer a corrida pelo Planalto.

Uma das medidas que Geraldo Alckmin e Persio Arida pretendem implementar –mas sem demonstrar que isso seja prioritário ou urgente– seria criar 1 período fixo para a permanência de 1 presidente do Banco Central no cargo –hoje, isso não existe. Nos Estados Unidos, o presidente do BC (o Federal Reserve Bank) tem mandato por tempo determinado.

No caso de ser criado o mandato para presidente do BC, a proposta tucana indica que o período de permanência no cargo não poderia ser coincidente com o do presidente da República. Dessa forma, acreditam Alckmin e Arida, seria evitado que influências políticas tivessem peso na política monetária.

REFORMAS E PRIVATIZAÇÕES
O tucano citou 4 reformas prioritárias para seu governo: previdenciária, tributária, política e do Estado. Afirmou que enviará os projetos ao Congresso nos primeiros dias de seu mandato e tentará aprová-las logo no 1º ano. Questionado sobre a dificuldade de se conseguir aprovar 4 reformas amplas em 1 espaço tão curto de tempo, disse: “Tem que dar [para aprovar em 1 ano].Nos primeiros meses a força política é muito grande. A eleição traz muita legitimidade, quem for eleito vai ter quase 60 milhões de votos“, disse.

No campo da reforma da Previdência, defendeu o fim da separação dos regimes para trabalhadores da iniciativa privada e para os servidores públicos.

Na área dos tributos, declarou-se favorável a uma proposta do economista Bernardo Appy de reunir 5 impostos e contribuições que existem em uma única taxa, o Imposto de Valor Agregado. A medida reduziria a burocracia e os encargos proporcionais sobre os mais pobres.

Para a reforma política, reforçou a importância de regras aprovadas em 2016, como o fim das coligações em eleições proporcionais e a criação de uma cláusula de desempenho. Defendeu a mudança do sistema proporcional para eleições legislativas para 1 distrital. “Sou a favor do distrital puro, mas acho que 1 sistema distrital misto já seria 1 grande avanço”.

Sua proposta de reforma do Estado inclui eixos como a desregulamentação, a desburocratização, a simplificação e o fomento do chamado “governo digital”. Alckmin reafirmou a intenção de privatizar ⅓ das estatais e de expandir o modelo de gestão por PPPs (parcerias público-privadas).

PESQUISA DATAFOLHA
O ex-governador de São Paulo comentou o resultado ainda ruim para ele na pesquisa Datafolha divulgada no domingo (15.abr), em que registrou de 6% a 8%, dependendo do cenário.

Afirmou que as pesquisas de intenção de voto só ganham valor no final da campanha. O levantamento feito em abril “está correto do ponto de vista estatístico, mas não tem valor político“, disse.

Para ilustrar seu argumento, o tucano usou as marcas registradas pelos possíveis candidatos do PT caso Lula seja impedido de concorrer. Jaques Wagner e Fernando Haddad não passam de 2% das intenções de voto. “(A pesquisa) diz que os candidatos do PT têm de 1 a 2%. Alguém acredita nisso? Não existe“, declarou o tucano.

JOAQUIM BARBOSA
O ex-ministro do Supremo filiou-se ao PSB na semana passada depois de 1 longo período de indefinição. Sem ter confirmado que será candidato ainda, já aparece à frente do tucano em alguns cenários testados pelo Datafolha.

Para Alckmin, o resultado não foi surpreendente. “Tenho admiração pelo ministro. Acho que grande parte dos brasileiros tem“, disse. “Não me surpreendi [com o resultado das pesquisas que indicam Barbosa na frente de Alckmin], porque nesse momento conta mais o nível de conhecimento das pessoas, nomes que tiveram grande presença na mídia“, disse.

ALVARO DIAS
A discussão de uma aliança dos pré-candidatos do PSDB e do Podemos foi empurrada para uma data mais próxima das eleições. O senador paranaense foi filiado por décadas ao PSDB antes de migrar para o PV e, então, para o Podemos. Com ideias semelhantes às de Alckmin, poderia “roubar” votos importantes do tucano na região Sul ou ajudar a fortalecer a candidatura caso aceitasse uma aliança.

Segundo o ex-governador de São Paulo, ainda é muito cedo para discutir o assunto. “Ninguém que não vai ser candidato vai decidir em abril (…) Se dependesse de mim, ele não teria nem saído do PSDB. Mas não posso cometer essa indelicadeza agora, respeitamos os concorrentes. Essas conversas serão mais para frente“, disse.

Há no PSDB uma corrente que defende uma chapa presidencial com Alckmin na cabeça e Alvaro Dias, do Podemos, como vice. A ideia é que ambos teriam assim como assegurar rapidamente perto de 15% dos votos das regiões Sul e Sudeste, com chances de ampliar esse percentual durante a campanha para ir ao 2º turno. Essa aliança depende muito mais de Alvaro Dias do que de Alckmin.

A expectativa é que em junho ou julho, a depender de como estarão Alckmin e Dias nas pesquisas, a possível associação entre ambos possa ser formalizada –sobretudo num cenário em que Alckmin já esteja cristalizado acima de 10% e Dias ainda permaneça perto dos 5%.

ALIANÇAS E PALANQUES
Atrás nas pesquisas, mas ainda com tempo para negociar apoios até o início oficial da campanha, Alckmin pretende se concentrar na articulação de alianças nas próximas semanas. “Até julho é difícil. Tem Copa do Mundo, uma fragmentação partidária. O tempo de televisão pesa. Estamos trabalhando para ter alianças e palanques. Vamos ter os melhores palanques do Brasil.”

O tucano já definiu sua estratégia de início de campanha. Dividirá seu tempo entre Brasília e a formação de palanques estaduais.

Nas últimas semanas, já está em contato com algumas legendas. “Estamos conversando com PPS para fazer uma discussão programática e também com o PV. Com o DEM temos uma aliança histórica, mas eles têm candidato, o Rodrigo Maia. Nós respeitamos“, disse.

O aliado natural do PSDB tem sido o DEM em várias campanhas. Também sempre vigorou no partido a ideia de que os demistas podem ajudar no Nordeste, região na qual os tucanos não têm grande presença.

PRISÃO APÓS 2ª INSTÂNCIA
Alckmin declarou-se a favor da prisão após condenação pela 2ª Instância. “Se você não tem decisão de 2ª Instância cumprida, os tribunais viraram ritos de passagem. Em princípio, deve valer a 2ª Instância“, disse.

O tucano defendeu a reforma do Judiciário, se dizendo a favor das juntas de conciliação, para reduzir a judicialização. Para isso, enviaria 1 projeto de lei para o Congresso.

INTERVENÇÃO FEDERAL NO RIO
Raul Jungmann, afirmou que o fim da intervenção federal no Rio deveria ser negociada entre o novo presidente da República e o novo governador do Estado.

Alckmin diz que seria “razoável” negociar 1 período de transição para a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, mas defendeu que as operações no Estado sejam temporárias. “A intervenção tem que ser transitória. Mas seria mais do que razoável negociar uma transição“.

Anunciada em fevereiro, a intervenção termina em 31 de dezembro. Uma prorrogação teria que ser acordada entre o governador do Rio e o presidente da República eleitos.

AÉCIO NEVES
Nesta 3ª feira (17.abr), a 1ª Turma do STF decide se torna o senador Aécio Neves (PSDB-MG) réu por obstrução à Justiça e corrupção passiva em processo relativo ao FriboiGate. Alckmin, que também é presidente do PSDB, disse que o partido já tomou as providências que devia sobre o caso:

“O PSDB fez o que tinha que fazer: trocou o presidente, marcou novas eleições e trocou toda a direção do partido. Ele vai ter que aguardar o julgamento. Claro que adversário explora, mas não é 1 fato [que vai atrapalhar a campanha]; no caso de Bolsonaro, eu não creio que ele seja confiável“, disse.

GERALDO ALCKMIN
Natural de Pindamonhangaba (SP), Geraldo Alckmin, 65 anos, ingressou ainda jovem na carreira política. Médico de formação, foi vereador aos 21 anos e prefeito da cidade natal aos 25. Em seguida, elegeu-se deputado estadual e, em 1987, deputado federal por São Paulo. Em 1994, após 2 mandatos na Câmara, elegeu-se vice-governador de São Paulo na chapa de Mario Covas,.

Com a saída de Covas do governo para tratar 1 câncer em 2001, Alckmin assumiu o comando do Estado mais rico do Brasil. Em 2002, reelegeu-se governador. Em 2006, disputou pela 1ª vez a Presidência da República e acabou derrotado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No 2º turno, Alckmin teve mais de 37,5 milhões de votos, 39% do total.

Alckmin governou São Paulo por mais 2 mandatos, de 2011 a 2018. Oficializou em março sua 2ª candidatura ao Palácio do Planalto e deixou o governo estadual em 6 de abril.