JORNAL NACIONAL NÃO NOTICIA QUE O PAPA CHAMOU A GLOBO E O JUDICIÁRIO DE GOLPISTAS FARISEUS.

JORNAL NACIONAL NÃO NOTICIA QUE O PAPA CHAMOU A GLOBO E O JUDICIÁRIO DE GOLPISTAS FARISEUS.

Uma declaração bombástica do Papa Francisco foi feita hoje na missa celebrada pela manhã: “A mídia começa a falar mal das pessoas. Depois chega a justiça, as condena e, no final, se faz um golpe de

Leia tudo

Uma declaração bombástica do Papa Francisco foi feita hoje na missa celebrada pela manhã:
“A mídia começa a falar mal das pessoas. Depois chega a justiça, as condena e, no final, se faz um golpe de Estado” .

A Folha, outra sócia do golpe contra Dilma e da prisão de Lula, no cantinho do site colocou uma chamada sem dar os nomes aos bois: “Papa acusa mídia de difamação que fomenta golpes de Estado”.

Mas quem lê a mensagem do Papa Francisco entende que ele foi direto, duro e sem rodeios na hora de falar dos golpistas:

“Essa instrumentalização do povo é também um desprezo pelo povo, porque o transforma em massa. É um elemento que se repete com frequência, desde os primeiros tempos até hoje”, disse o pontífice, segundo o Vatican News. “O que aconteceu? Fizeram uma lavagem cerebral e mudaram as coisas. E transformaram o povo em massa, que destrói.”

Com base na leitura do dia, do livro dos Atos dos Apóstolos, o papa comentou que a união de fariseus e saduceus contra Paulo era uma “falsa unidade”, pois, como o apóstolo, os fariseus acreditavam na ressurreição, enquanto os saduceus, não. Porque “era sagaz”, Paulo expôs a divisão e quebrou essa falsa unidade, e a assembleia que o condenava se dividiu.

“Criam-se condições obscuras para condenar uma pessoa”, disse o papa, ainda segundo o Vatican News, acrescentando que esse método é muito usado hoje também “na vida civil, na vida política, quando se quer fazer um golpe de Estado”.

“A mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas”. Depois chega a justiça, “as condena e, no final, se faz um golpe de Estado”.

O fato é que o Papa, um dia depois do circo armado por Doria e Moro em Nova York, deu um tiro de canhão na Lava Jato, na Globo e no STF transformando sua missa numa denúncia mundial do golpe continuado no Brasil.

Por isso não deu no Jornal Nacional.