O Outro Lado do Paraíso: Nádia implora perdão e chora abraçada a Raquel.

O Outro Lado do Paraíso: Nádia implora perdão e chora abraçada a Raquel.

O racismo de Nádia (Eliane Giardini) está com os dias contados.

Leia tudo

O racismo de Nádia (Eliane Giardini) está com os dias contados. Ela terá um neto negro, e o amor pelo menino a fará se redimir em O Outro Lado do Paraíso. Orgulhosa, ela será pressionada por Bruno (Caio Paduan) a procurar Raquel (Erika Januza) e se desculpar. Ela vai implorar para ser perdoada e terminará abraçada à juíza, chorando.

A mudança no comportamento da ex-mulher de Gustavo (Luis Melo) só ficará clara depois que Diego (Arthur Aguiar) se separar de Karina (Malu Rodrigues). O casal terá tido um filho negro, e o exame de DNA comprovará que a criança é mesmo filha do geólogo. Por conta do nascimento de Marquinhos, Nádia e Gustavo revelarão que tiveram avós negros.

Nádia, então, perceberá que a nora não é uma mãe zelosa e passará a tomar conta do neto. Quando perceber que o menino será levado pela mãe com a separação, ela dará um jeito de ficar com Marquinhos.

Bruno, então, exigirá que Nádia se acerte com a juíza. "Mas não tenho que pedir desculpas porque não fiz nada contra ela. Pelo contrário, desde que teve aquele acidente, eu a tratei muito bem. A Raquel é complexada, sabe? Vê problema em tudo", responderá a dona do salão.

"Cê faz de tudo pra me separar dela. Eu tentava entender, por que cê tinha preconceito contra negro", falará o delegado. "Bruno, que está dizendo? Eu nunca fui racista", dirá Nádia, na maior cara de pau. "Chamava a Raquel de miss quilombo", ele lembrará. "Era só uma brincadeirinha", rebaterá a personagem de Eliane Giardini.

"Mas agora cê tá pra cima e pra baixo com teu neto negro. Apaixonou", dirá o delegado. "É diferente. Um menino tão lindo, tão gracioso", retrucará Nádia.

"Bom que pense assim. Porque vai gostar dos meus filhos com a Raquel também. Agora se arruma. Você vai comigo pedir perdão pra ela. Ou pede perdão pra Raquel, ou eu saio de casa hoje", ameaçará o delegado.

Nádia, então, concordará. Assim que chegar ao apartamento de Raquel, soltará uma de suas piadas racistas. "Que sofá mais confortável. Aposto que no quilombo não tem sofá confortável assim", alfinetará. Bruno se irritará, dirá que a mãe não tem jeito e que é melhor levá-la embora.

"Perdão", soltará a dona do salão. "Ahn? A senhora me pediu perdão?", estranhará a juíza. "A gente sempre brigou tanto, e eu me acostumei a brigar com você. Mas eu quero pedir perdão, sim. Eu não suporto ver o Bruno triste. Sem o brilho no olhar que ele sempre teve. Eu tive um neto negro, nunca esperei ter um. Amo esse bebê, como nunca pensei amar. Perdão, Raquel", Nádia falará, com lágrimas nos olhos.

"Eu aprendi que a cor da pele não faz qualquer diferença, que o coração pode falar mais alto. Eu estou aqui me humilhando, disposta a fazer o que for preciso para me perdoar. Mas me perdoe por todas as vezes em que maltratei você. Me perdoe, se não for por mim, que seja por amor a meu filho. Diga o que preciso fazer para você me perdoar", vai implorar ela.

Raquel irá até Nádia e afirmará que não precisa fazer mais nada. "Só me dê um abraço. Um abraço", dirá a juíza. As duas vão se abraçar, emocionadas. "Ah, Raquel. Aqui entre nós duas, a generosa é você", reconhecerá a personagem de Eliane Giardini.

A cena vai ao ar dia 9 de abril em O Outro Lado do Paraíso.